quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Um sonho é sempre um sonho... e quando é escrito sempre nos parece mais real!


Cheguei à escola. É o meu primeiro dia de trabalho. Os miúdos correm e conversam sobre as férias. Anseiam pela primeira aula para saber quem é o professor. Vozes de crianças e adolescentes invadem o ambiente com que sempre sonhei. As vozes de Amanhã. Muitos Amanhãs. Farei parte de alguns deles. E isso faz-me tão feliz!
Chego à sala de professores tão ansiosa como no primeiro dia de aulas na faculdade. Estudei no Porto. Na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Na cidade onde nascem as musas de poetas fantásticos. Ali nasci, ali fiquei. Não tive coragem de abandonar o Douro quando iniciei o meu percurso académico! Hoje, teve de ser. Saí do meu berço inconfundível e incomparavelmente maravilhoso. Fiz as malas há uma semana e viajei até à capital. Mas sinto-me deslocada, como se o Porto se tivesse evaporado e eu já não o pudesse ver mais. Lisboa é uma cidade bonita, mas o Porto é a minha paixão. O Tejo é brilhante, mas o Douro é a luz da minha alma.
Os mais velhos olham para mim por ser uma cara nova. Os mais novos também olham mas mais timidamente. Cumprimento alguns, dizendo um «bom dia» alegre, apresento-me a outros, tentando encontrar os restantes professores de Língua Portuguesa da escola.
Ainda um pouco atrapalhada, tentava encontrar o livro de ponto do 9ºE - a minha primeira turma do meu percurso profissional. O programa era o mais interessante de todos os anos. Continha matérias mais aprofundadas e só gostava da disciplina quem realmente gostasse de Português.
Antes do toque, dirigi-me para a sala, para não me atrasar, pois ainda não conhecia muito bem os cantos à casa.
A campainha solta um grito estridente e ouvem-se, automaticamente segundos depois, passos apressados, uns mais entusiasmados do que outros, a subirem as escadas. Depois as cadeiras a arrastarem no chão, ao contrário daquilo que o professor ordena (e continuará a ordenar, mas sempre sem efeito...). Para certas coisas, não há remédio! Os primeiros alunos entram, sentam-se nas primeiras carteiras, e muito acanhados, dizem «bom dia». Caramba, eu não faço mal! Eu também era assim? Riram-se! É um bom começo... tentar criar laços. Não é a meter medo que lhes vou enfiar Camões na cabeça, muito menos na alma!
A aula foi produtiva. Acho que eles gostaram de mim e eu, pelo menos, gostei deles. É uma turma simpática, apesar de conversadora... resta saber se trabalham bem. Tenho a sensação de que se vai descobrir um ou outro talento na escrita. Vou insistir nesta actividade como tarefa extra e facultativa semanal, contribuindo obviamente para o aproveitamento. Acho importante fazê-lo porque às vezes nem eles próprios sabem que gostam de escrever! Eu, professora Carolina, de Língua Portuguesa, hei-de ensinar as almas a (en)cantar o mundo em versos. Hei-de mostrar aos miúdos que a prosa é o que nos faz cair e o que nos faz levantar. São as palavras em linha recta que movem mundos!
Numa turma, há sempre um leitor compulsivo... mal posso esperar para descobrir qual deles é!
*fictício (escrito em Maio de 2010)

6 comentários:

  1. Que texto tão bonito! Emocionante, mesmo! A dita língua portuguesa e a história eram as minhas disciplinas preferidas :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu adorava Letras e História! Tenho tantas saudades :)

      Eliminar
  2. «São as palavras em linha recta que movem mundos!», maravilhoso! Aliás, como todo o texto.

    r: É mesmo!
    Muito obrigada *.*

    ResponderEliminar
  3. Você me fez chorar.
    Eu era professora de matemática e simplesmente amava dar aulas, mas faz mais de um ano que não consigo lecionar (a concorrência aumentou e eu ainda sou estudante).
    Com seu post, me bateu um saudade imensa do frio na barriga da primeira aula. De ver que são meus alunos e traçar, junto com eles, os projetos para o ano.
    Mas enfim, estou terminando o curso e logo logo volto para a sala de aula.

    Grande beijo e muito sucesso.
    Thaís Xavier

    ResponderEliminar
  4. Descobri este blogue no meio de tantos outros, e foi neste que me identifiquei.
    Eu era no meio de tantos colegas, essa leitora compulsiva que adorava escrever. E houve uma professora que me reconheceu e encorajou. Encontre esse aluno, e nunca deixará de fazer parte da memória dele.
    Um beijinho e obrigada!

    ResponderEliminar

Obrigada pela tua visita :)