sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Insónia

Fotografia da minha autoria
    Ouço um silêncio que me assombra nesta noite. O tiquetaquear do relógio faz-me tremer e leva o meu estômago a dar sinais de ansiedade. O crepitar de objetos perdidos no quarto, as asas de uma mosca, o deslizar do carvão no papel, a minha voz baixa e trémula que se deixa sair cansada.
    Ouço-o com mais e pormenorizada atenção: um segundo relógio – o relógio de pulso – que está nas gavetas ao fundo do quarto, um carro ou outro que passam na estrada longínqua e um nada, um zumbido fino e oco que me atravessa a cabeça da direita à esquerda, de cima a baixo, sem deixar rasto na minha imaginação…
    Ouço os sonhos dos sonhadores, os pensamentos dos pensadores… Ouço as estrelas a brilharem, o sol a explodir, a lua a cantar e o universo a expandir. Ouço os buracos negro
s a sugarem a luz e o barulho inexistente do cosmos, as galáxias jamais conhecidas, outros buracos negros, mais luzes, mais estrelas, luas, sóis e planetas. Tudo! E, ao mesmo tempo, Nada!
    Ouço-me a mim, o som mais difícil de ouvir, mais difícil de chegar, de encontrar. De entender.
    Fiz-me gritar. Sem som.
    E sem som, ao gritar, consegui ouvir-me!

1 comentário:

  1. Ouvir-nos, por vezes, é mesmo a maior dificuldade que temos!
    Texto fabuloso

    ResponderEliminar

Obrigada pela tua visita :)